19 de novembro de 2010

Quando estiver prestes a virar-te as costas, não deixes que o faça. Sabes bem que me vou arrepender. Vou deixar para trás alguém que amo, e que me faz sorrir de forma espontânea e constante. Sabes que me vou arrepender. Vou sentir-me sufocada com a distância e vazia de saudade. Sabes que me vou arrepender. E sabes porque te amo e tu também me amas.

14 de novembro de 2010

Ninguém melhor do que eles sabe o sentimento que lhes percorre o corpo quando numa simples troca de olhares as suas almas se tocam. Mas eles não admitem. Talvez não se sintam demasiado seguros daquilo que sentem quando as suas mãos se unem por mera brincadeira. Deixam que o amor os envolva mas fingem não saber...

7 de novembro de 2010

Enquanto a vida dá voltas e mais voltas, eu vou seguindo o meu caminho levemente, ao sabor do vento, até onde este me levar. Vou deixando para trás quem não me consegue acompanhar, quem não acompanha os meus pensamentos mais longínquos. A certa altura irei sentir-me só, irei olhar para trás e questionar-me sobre tudo o que ficou onde antes pertenci. Vou aperceber-me que tomei a decisão mais correcta, ou talvez nem tanto. Não irei arrepender-me de nada, porém. Até ao dia em que recordarei tudo o que não vivemos, por te ter deixado para trás, como alguém egoísta que pensei não ser. Independentemente de tudo, esteja onde estiver, sentirei a tua falta. Sempre. E está prometido agora, que voltarei para te amar de novo.

5 de novembro de 2010

Pela primeira vez, senti-te distante de mim. Invadiu-me um vazio por não estares por perto para me fazer sorrir. Nem deves ter a noção da falta que me fizeste, simplesmente por não fazermos juntos as brincadeirinhas do costume e darmos as gargalhadas estridentes a que já estamos habituados. Nem uma conversa decente nós tivemos. 
Hoje mais do que nunca, a certeza de não conseguir ser sem ti, ganhou ainda mais sentido.