E a história repete-se, vezes e vezes sem conta. Todas as manhãs, envoltas em nevoeiro, ela olhava pela janela. A esperança no seu coração atingia o auge. Esperava e esperava, por alguém que cruzasse as baixas nuvens que cobriam o alcatrão ao longo da estrada por onde ele supostamente viria. Esperava e esperava, e acabava por desistir. Mas a história repetia-se. vezes e vezes sem conta. Todas as manhãs envoltas em nevoeiro.

Sem comentários:

Enviar um comentário