2 de dezembro de 2012

Dou tempo ao tempo e espero que ele me traga os sonhos em atraso. Que me traga a esperança perdida, a felicidade escondida e o amor esquecido. Aprendi a esperar. E assim vivo os meus dias.
O imprevisto acontece e alguém te encontra. E te reencontra. Te reinventa. Te reencanta. Te recomeça. 

18 de novembro de 2012

Eu lutei. Fiz e disse coisas de que nunca me arrependerei. Esperei e sofri. Aprendi, da pior forma, o que é amar. Mas voltei a sorrir e, todos os dias, sorrio um pouco mais. Entendi que a minha felicidade não estava onde tanto a procurei.

13 de novembro de 2012

Ver-te sorrir sabe-me a caramelo. Sorrisos doces, os teus. São sopros leves no coração.

12 de novembro de 2012

Sem saberes, tens sido o meu porto de abrigo. E é tudo tão simples quando estás por perto. Tudo tem mais cor. Sinto-me viva quando abraçamos sorrisos sinceros.

6 de novembro de 2012

Continuo aqui; para tudo; para sempre.
São tempos de espera, em que nada parece certo ou errado e os cigarros vão desaparecendo para dar lugar às cinzas. E um pouco mais de mim morre, quando sinto a tua presença tão ausente em mim. E um pouco mais de mim se vai, por saber que segues sozinho o teu próprio caminho. Mas permanece sempre aquela ardente esperança que me impede de te voltar costas e deitar ao vento todas as beatas e memórias antigas.

1 de novembro de 2012

Passado tanto tempo, parece que quase tudo ficou na mesma. Mas, depois daquela noite, em que morri um pouco por dentro e em que uma nova parte de mim nasceu novamente, tudo ficou mais claro. O tempo passou e as noites voltaram a ser frias. O tempo passa, mas o dia não deixa de passar por aqui. É que, por momentos, ainda sonho os sonhos antigos, mas os novos estão a formar-se. E amanhã, quem sabe não irá ficar tudo um pouco mais livre. Eu... mais livre de ti. 

Sabem, comecei a sentir falta de algo nos meus dias. Faz-me bem escrever, sim, mas quero mostrar-vos sempre um pouco mais de mim e pensei que aqui ficaria algo um pouco descontextualizado. Não abandonarei o uma mão cheia de nada, - isso nem sequer está posto em causa - mas vou dividir o meu tempo e publicar também no THE YOUNG MESS. Gostava de vos ter por lá, margaridas.
Sei que um dia seguirei em frente; lado a lado com alguém que me amará tanto quanto eu te amo neste instante. Espero que não sintas este mesmo vazio que me preenche. Espero sim, que um dia, entendas que cada oportunidade tem o seu momento e cada momento tem o seu tempo e o tempo não volta atrás. Que nunca sintas a minha falta, quando eu já não sentir a tua.

25 de outubro de 2012

‎De entre tudo o que já ouvi sobre o amor, o que mais me intriga é a sua procura. Dizem-me que a melhor forma de procurar o amor é, justamente, não o procurar. Pois bem, a melhor forma de procurar o amor – digo eu – é deixar que ele aconteça, como acontecem os dias, sem que para isso tenhamos que pedir que mais um venha. O amor vem sim, mas é necessário que, no mínimo, dele estejamos à espera. Se não estivermos na estação é bem possível que, chegado aí, ele se meta na carruagem e parta de novo, sem que nunca saibamos que um dia ele aí esteve. A verdade do amor – e toquem os sinos, cantem as crianças afinadas – é que não somos nós que o procuramos, é justamente ele que nos encontra...

23 de outubro de 2012

Ninguém morre por amor, não é? Mas achas que temos de aceitar algo que não gostamos? Achas que temos de aceitar que a pessoa que amamos possa ser feliz com outra pessoa? Temos não é... Se não era egoísmo. Mas, achas que vale a pena continuar a lutar? Vale a pena esperar? Que o nosso dia chegue? 
Se tiver de ser, será. Por isso, continua a lutar até ao fim, mesmo que não saibas até onde terás de ir para o encontrares. Porque valerá sempre a pena esperar por quem nós amamos. Mesmo que essa pessoa já tenha encontrado a felicidade noutro coração. Porque quem ama de verdade, nunca desiste. Não por vontade própria. E porque amamos, também devemos aceitar o bem dessa pessoa, a sua felicidade. Porque... Se tiver de ser, será. E quem sabe se não é amando essa pessoa que acabarás por te deixar conquistar por outra que te fará bem mais feliz? Que te dará bem mais; que te quererá bem mais; que te amará como nunca ninguém amou... 

22 de outubro de 2012

Eu nunca vou desistir de nós, mas também não desisto de ser feliz.
Tão nós!
Vou-me deixando conquistar aos poucos.
Perco-me nesses teus olhos cor de amêndoa e só volto a encontrar-me quando não estás por perto. Sou frágil ao teu lado; sinto que vou ceder a qualquer instante. E enquanto o vento gelado me abraça, eu rezo para que ele te traga. Mas já não sei se te quero. Não me entendo. Quero que sejas livre e feliz; e ao mesmo tempo, feliz e livre comigo. Boa noite, bebucho.

18 de outubro de 2012

Juntos, rimos até que a dor no estômago seja insuportável e que as lágrimas de entusiasmo descubram o nosso sorriso. Foi bom ter-te encontrado.

17 de outubro de 2012

A chuva ia caindo sobre o meu rosto. Desprotegida, deixei que as gotas de água me atingissem e trouxessem as lembranças, sem que me opusesse. Recordações primaveris que apeteciam ter de volta. E a saudade regressou; e a saudade permaneceu.

15 de outubro de 2012

Ela ama. Ele não corresponde.
Ela sofre. Ele não está nem aí.
Ela afasta-se. Ele sente a sua falta.
Cliché.

14 de outubro de 2012

Passaram-se quatro estações e, pela primeira vez, não senti toda aquela necessidade letal de te envolver nos meus braços, como uma criança abraça o seu peluche favorito. O meu corpo limitou-se a manter a distância suficiente para que trocássemos frases banais e fumássemos o nosso cigarro debaixo do pequeno alpendre. Mas, durante os poucos minutos que permanecemos lado a lado, o meu olhar obrigou-me a contemplar o teu ser e, dei por mim a questionar-me sobre o verdadeiro amor - será que ele morre de um dia para o outro? Concluí que talvez este amor esteja apenas adormecido para que eu consiga ser feliz noutro lugar.

10 de outubro de 2012

Abraços inesperados com sabor a mentol e cheiro de relva molhada. É sempre melhor quando se sentem dois corações vivos. Sabe sempre melhor.
Saudade, acima de tudo o que possa estar a sentir neste momento. Saudade de ti; e de nós. Sei que a distância não importa quando existe algo mais forte a unir duas almas, mas sinto falta dos fins de tarde na esplanada da estrada principal, entre copos e cigarros e conversas com todo e nenhum sentido. E sabes, gostava de repetir o passado e contar-te todas as aventuras ainda não proferidas; ou falar-te apenas de quem se tornou especial. Sei bem que a felicidade se instalaria no teu rosto quando entendesses que voltara a saber sorrir.

9 de outubro de 2012

Tens sido como um pequeno raio de sol nos meus dias nublados; uma lufada de ar fresco no meu rosto, em dias abafados pelo calor da chama que me tem consumido. Gosto de te ver sorrir e rir contigo, como há muito tempo não o fazia. 

7 de outubro de 2012

Sou tão pouco, sem ti.
Não consigo esquecer a tua silhueta, enquanto caminho pelas ruas da grande cidade. Cada esquina faz-me recordar-te. O movimento automático dos meus pequenos pés, levam-me ao passado. E a minha alma eleva-se quando volto a ouvir a tua voz chamar por mim; e o teu odor mistura-se com a brisa da manhã que desliza sobre os meus cabelos, fazendo-me inspirar a paz. O meu corpo segue o som das tuas palavras e o nosso olhar não se cruza. Não estás presente; nunca tiveste. Foi apenas mais uma facada deste meu inútil coração.
Tento saber como é que vai ser,
Se posso viver sem ti.
Tento fugir mas eu só penso
Na hora em que estás aqui.
Tu nunca vens e quando apareces,
Finges que não há nada.
Deixas-me só, sempre a pensar
Que chegámos ao fim da estrada.
Tento manter a calma; às vezes, parece que não te ligo.
Pode parecer até que te esqueço, mas só quero estar contigo.
Pode parecer que sou livre, mas eu estou preso a ti.
Às vezes disfarço e não consigo,
Mas eu só penso na hora em que estás aqui.

5 de outubro de 2012

'Cause to love you means so much more. When I need to cry, you make me try. I want to die and ask me why! 'Cause I can't fight no more. (...) When I wanted to stop, when I wanted to fail, I saw your eyes and I believed there's so much more... So much more...

2 de outubro de 2012

A atmosfera continua pesada contigo presente. Pesa na alma, este amor perdido que não se encontra. O teu olhar cada vez mais distante assusta-me, apesar de saber que o teu sorriso continua verdadeiro. Mas essa tua essência parece desaparecer de dia para dia. A tua luz parece fraca. Não pareces tu. E intriga-me e invadem-me as tuas atitudes, porque não as sei explicar; porque não sei sentir aquilo que estás a sentir. Não consigo entender o porquê do teu silêncio; o porquê da tua ausência.

23 de setembro de 2012

E o meu olhar voltou a cruzar o teu. E o meu coração bateu depressa demais. E esse teu sorriso deixou magia no ar. E cada vez te amo mais. Boa noite, bebucho.
Há sorrisos que me derretem. Mas o teu? O teu conquistou-me.
I don't intend to pretend that I could never loved you more. But in the blink of an eye, everything you ever knew can change and it's a beautiful lie if you think everything will always stay the same.

19 de setembro de 2012

À velocidade a que os meus dias passam, nada me deixa prolongar pensamentos e dei conta de que não me lembro da tua existência por escassas horas. Esqueço o teu cheiro e o teu jeito; as memórias. Como se tudo o que vivi por ti tivesse sido apagado. Mas com o pôr-do-sol regressa a calma e o tempo passa lentamente. E volto a lembrar-te como o grande amor da minha vida.

18 de setembro de 2012

Dura Praxis Sed Praxis
Ultimamente, não tenho estado à espera de coisas boas. Nem de coisas ruins. De nada, nem ninguém. Para mim tanto faz. Cansei de criar falsas expectativas.

16 de setembro de 2012

I know this is love, but if I tell the world I'll never say enough, because it was not said to you. And that's exactly what I need to do. Should I give up or should I just keep chasing pavements? Even if it leads no where. Or would it be a waste?

15 de setembro de 2012

14 de setembro de 2012

Apenas quero que tudo dê certo. Porque sei que és a pessoa certa e nada parece mais certo do que ter-te ao meu lado. E é tão errado fugires daquilo que o teu coração te diz. É errado e não deves ter medo de ser feliz. Mas eu espero. Não só porque quero, mas porque também não sou capaz de te deixar ir.

13 de setembro de 2012

Vou fazê-lo. Por nós e por ti e sobretudo por mim. O ar está a ficar cada vez mais pesado a cada inspiração. Já nada me faz sentir plena. Até o teu olhar perdeu esse poder sobre mim. E eu perdia-me em ti, de todas essas vezes, lembro-me bem. Mas agora nem tu me fazes bem. Sinto-me fraca, sabendo que odeio tanto o quanto te amo. E eu disse que daria todo o tempo às tuas incertezas, mas agora sou eu que preciso de ouvir aquilo que o meu coração tem para dizer.

É a atitude de quem despreza um coração e, mais tarde, sente uma ponta de ciúmes por ser tratado da mesma forma. E sabes, não consigo suportar mais as incertezas de quem acha que por ter sofrido de amor, não pode voltar a amar e ser amado. Não consigo enumerar algo mais estúpido do que esse velho pensamento. Apetece-me chorar. Não por estares longe; mas por sentir que, depois de tudo o que fiz para conquistar a tua confiança, não passaste de uma tentativa falhada. E dói ver isso em ti; alguém que desistiu à primeira oportunidade, para não magoar e sair magoado. Alguém que não teve colhões para tentar abraçar a felicidade.

12 de setembro de 2012

Perguntas sem resposta. Factos sem certezas. Furacões de pensamentos. E um coração nos últimos batimentos.

11 de setembro de 2012

Fala, diz-me o que estás a pensar 
Oiço, sinto o que estás sentir 
Abre, abre a mão aos teus medos 
Deixa-me estar onde estás 

Diz-me que sim, estou aqui 
Nada nos vai separar nem dividir 
Quero estar junto a ti 
Estou aqui... 
Diz-me que sim...

10 de setembro de 2012

O medo da consequência paira no ar fresco desta noite. A primeira noite sem ti, desde há algum tempo. Desde que os dias quentes se tornaram um vício e partilhámos sempre um pouco mais de nós. Deixei que partisses mais cedo do que previa por ter tomado a tua presença como garantida até ao fim. Agora que não só a minha mente se mantinha confusa, mas também a tua tentava perceber o que realmente significava para ti tudo o que passou como vento, por entre dedos. Muitas almas te conhecem bem e sabem que o teu agir se tornou diferente por alguma razão. Todos partilham o mesmo pensamento, porém ninguém se atreve. Tu muito menos. Mas quero que penses em mim durante esta semana, todos os dias; e não preciso que seja a todo o instante, mas sim apenas por um momento. Preciso que entendas aquilo que o teu coração te quer dizer, mesmo que não seja o meu nome que ele pronuncia. Preciso. Tal como tu. Boa noite, bebucho.

8 de setembro de 2012

Continuo incompleta, esperando por ti.
Hei-de te amar, ou então hei-de chorar por ti 
Mesmo assim, quero ver te sorrir... 
E se perder vou tentar esquecer-me de vez, conto até três 
Se quiser ser feliz...

5 de setembro de 2012

A lua cheia iluminou o meu caminho e encontrei-te. Não sabia o que fazer ou o que dizer, mas nunca neguei interiormente aquilo que sentia por ti. Sinto-o a cada vez que me olhas. A mesma lua, regressou para me encher de coragem - Eu não quero que te afastes de mim. Não te quero perder. E da tua boca a resposta seguiu-se - Nunca me vais perder, garanto-te. Pedi a tua mão e tu cuidadosamente seguraste na minha. Encostei a minha cabeça sobre o teu ombro e, mesmo não sabendo o que estava a fazer, rezei. Rezei para que aquele momento fosse eterno.

31 de agosto de 2012

No dia em que te conheci, disseste que nunca te apaixonarias, mas agora eu entendo-te. Eu sei que aquilo era medo. Agora estamos aqui, tão perto e ainda tão longe. Ainda não passei no teste? Quando é que vais perceber que eu não sou como o resto? Não quero partir o teu coração. Quero dar-lhe um tempo. Eu sei que estás assustado, como se pudesses cometer um erro. Só temos uma vida para viver e não temos tempo para esperar. Então, deixa-me dar um tempo ao teu coração.

Demi Lovato - Give Your Heart a Break

29 de agosto de 2012

Sentir-te mais próximo, a pouco e pouco, torna-me alguém mais feliz. Cheguei a acreditar, com todas as minhas forças, que nunca mais voltarias a sorrir para mim da mesma forma. E é tão bom saber que estava errada.

27 de agosto de 2012

23 de agosto de 2012

Deitados sobre o mesmo chão, observámos o céu e as estrelas. Não precisaste de pronunciar uma única palavra para te sentir. E é tão bom sentir-te por perto. As mãos passavam pelos fios de cabelos, como se um pai ali estivesse para adormecer um filho. Os lábios encontravam a pele do rosto, como se um irmão ali estivesse para dizer que estava protegida. E é tão bom sentir-te por perto. Foi como se não precisássemos de mais nada. Apenas um do outro.

22 de agosto de 2012

Não importa o que eu faça, o que eu diga, o que eu demonstre. Se vou embora, você não corre atrás. Se digo que estou bem, você acredita. Se choro, você não me abraça.

21 de agosto de 2012

Enquanto o teu sorriso permanecer em todos os meus pensamentos, vai ser difícil lembrar que existem outros sorrisos por aí.
A culpa não é tua. Nem desse teu jeito que me conquistou. São os pequenos gestos, as curtas palavras, os poucos momentos. Não foi preciso muito para me encantares. E não, não sou uma pessoa fácil. Sou estranha, indecisa e tenho a mania da perfeição. Não sei como o fizeste, mas conseguiste superar todas essas barreiras e tocar no meu frágil coração.

18 de agosto de 2012

Eu só quero isso. Alguém que chegue, me faça rir, permaneça. Que dispute comigo no final do dia quem ama mais. Eu só quero isso: um pouquinho de amor, de carinho. Quero alguém que fique, por mais difícil que esteja. Um sol pra me fazer de Terra e girar em torno. Para me iluminar, por mais que a escuridão aparente não ir embora. Alguém para rir das piadas mais estúpidas do mundo. Quero alguém que exista apenas em mim, quero existir em alguém. Ser o mundo de alguém. Quero alguém que, no final de um diálogo, diga tchau, pelo menos umas 5 vezes e depois de tudo, apenas, esqueça de ir embora.

17 de agosto de 2012

Mesmo que eu tente esconder, mesmo que eu tente não me mostrar. Mesmo que eu disfarce. Eu sinto tudo demais. E é por isso que às vezes as coisas doem tanto.

16 de agosto de 2012

Esta noite, vi quatro estrelas cadentes. Sabes quantos desejos pedi? Apenas um... Não preciso dizer mais nada, pois não?

15 de agosto de 2012

E eu, finalmente, deixei de ter pena de mim por estar sem você e passei a ter pena de você por estar sem mim. Coitado.

13 de agosto de 2012

Que o desejo pelo beijo seja a vontade nossa de beijar, 
nunca a tristeza por ainda não ter sido o beijo mesmo. 
Que o desejo nunca nos corte. 
Que as ausências jamais nos sangrem.
Que o calendário não nos condene.
Que a esperança não nos sufoque. 
Caminhemos de mãos abertas. 
Quem sabe um dia, então nos encontremos em nossos desencontros... 

É nesse sorriso bobo que encontro forças para não desistir de ti; de nós. No entanto, esse olhar distante, faz-me acreditar que nada tem sentido; que não vale a pena esperar por algo que nunca será meu. Independentemente de tudo, continuo a sentir que ficarei completa quando me quiseres da mesma forma. 

12 de agosto de 2012

Tens um ar cansado e os teus olhos cor de mel ficam envermelhados quando o sono vem ao teu encontro. Não consegues manter o corpo erguido e aproveitas isso com desculpa para deitar a cabeça no meu colo. Enrolaste na quente manta branca que costuma estar estendida ao longo do sofá e, num gesto delicado, coloco a minha mão sobre os teus cabelos longos e ondulados. Sinto a suavidade dos fios cor de avelã enquanto te faço cafuné. Sei que adoras; e também sei que podíamos ficar assim toda a noite.

11 de agosto de 2012

Senti algo quente apertar o meu braço sensível. A tua mão puxava-me para junto do teu corpo e a tua boca encostou-se ao meu ouvido, sussurando algo. Não compreendi logo, mas deixei-me levar na tua companhia para um local mais seguro. Voltei a ouvir a tua voz bem junto de mim e conseguia sentir o calor das palavras que pronunciavas - sei que não tenho sido a melhor pessoa do mundo para ti, mas sabes que te adoro, não sabes? Num acto instintivo, os meus braços envolveram o teu pescoço, sentindo os teus fazerem o mesmo na minha cintura. E assim ficámos. Num abraço que pareceu eterno.