Nunca te odiei tanto, sem mesmo te odiar verdadeiramente. Como é possível que tudo em ti tenha um efeito tão intenso em mim. Por vezes, temo que a minha mente bloqueie ao ver-te e que esse mesmo acto denuncie todos os meus autênticos sentimentos por ti. Odeio a forma como o teu olhar cruza o meu. Odeio ainda mais o facto de que tudo isto possa não vir a ser mais do que meras ilusões da minha mente. Odeio que sejas assim. Sempre tão meigo, tão prestável, tão hipnotizante, tão tentador e perfeito. Odeio tanto o quanto te amo.

2 comentários:

  1. o amor e o ódio, às vezes, tão o mesmo.

    ResponderEliminar
  2. Percebo tanto este ódio de que falas. Às vezes chega a doer.

    ResponderEliminar