Vou deixar-me levar pelo vento e esperar que a corrente da maré de todas as manhãs te recupere para mim.  Nesses teus olhos cor de avelã cristalizada, espero um dia te reencontrar; a ti e a esse teu amor que não me soubeste dar. Que as nossas mãos se voltem a tocar se chegares para ficar; tens de prometer ao sol de todos os dias não mais partir. E que esses teus braços me devolvam a eternidade que um dia tive. 

9 comentários:

  1. Como compreendo esse "desejo", essa saudade. O amar voltar a ter o que já vivemos. Voltar a viver a realidade que no hoje se tornou um sonho!

    ResponderEliminar
  2. atão, acho q me compreendes. obrgd

    ResponderEliminar
  3. muito obrigada julia :) e as saudades fazem da vida

    ResponderEliminar
  4. muito obrigada julia :) e as saudades fazem tão parte da vida

    ResponderEliminar
  5. obrigada eu. isto fez-me arrepiar e suspirar

    ResponderEliminar
  6. por vezes, esperamos uma vida para saber viver. E, entretanto morremos e mesmo antes do último suspiro compreendemos que vivemos á nossa maneira.

    ResponderEliminar
  7. é assim que recordo este amor que vivi. mas nasce em mim, hoje, uma revolta do muito que poderíamos ter vivido!

    ResponderEliminar