Deitados sobre o mesmo chão, observámos o céu e as estrelas. Não precisaste de pronunciar uma única palavra para te sentir. E é tão bom sentir-te por perto. As mãos passavam pelos fios de cabelos, como se um pai ali estivesse para adormecer um filho. Os lábios encontravam a pele do rosto, como se um irmão ali estivesse para dizer que estava protegida. E é tão bom sentir-te por perto. Foi como se não precisássemos de mais nada. Apenas um do outro.

9 comentários:

  1. Muito obrigada, já disse isto do teu, mas volto a repetir. SIMPLESMENTE LINDO! :)

    ResponderEliminar
  2. Está a acontecer um concurso no meu blog chamado "Critica aqui". Passa lá para participares e divulga!
    http://writersfield.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. segui, segues de volta? textos simplesmente lindos!

    ResponderEliminar