2 de agosto de 2012

Em noite de lua cheia, os meus pensamentos fluem no mesmo sentido da corrente de lágrimas que deslizam pelo meu rosto. É dolorosa, esta solidão que atravessa o meu coração como um flecha. É angustiante, este vazio que me preenche a alma. Este amor é como um pássaro negro; quanto mais tento agarrá-lo e mantê-lo perto de mim, para mais longe ele voa. E aí, eu corro atrás. Até perder todas as forças. Até não restar mais nada. Nem esperança.

2 comentários: