Não consigo esquecer a tua silhueta, enquanto caminho pelas ruas da grande cidade. Cada esquina faz-me recordar-te. O movimento automático dos meus pequenos pés, levam-me ao passado. E a minha alma eleva-se quando volto a ouvir a tua voz chamar por mim; e o teu odor mistura-se com a brisa da manhã que desliza sobre os meus cabelos, fazendo-me inspirar a paz. O meu corpo segue o som das tuas palavras e o nosso olhar não se cruza. Não estás presente; nunca tiveste. Foi apenas mais uma facada deste meu inútil coração.

2 comentários: