17 de junho de 2013

Deixei de acreditar nesse teu amor. Esse amor que te dá murros em vez de borboletas na barriga; que te mata em vez de te renascer. E a cada dia, um pouco mais de ti se vai perdendo. Um pouco mais de ti se torna irreconhecível aos meus olhos. Negra, a alma de um ser outrora possuidor de luz própria. Como te perdeste? E como é que eu não estava lá para te impedir? Desculpa, mary.

5 comentários:

  1. és sempre tão maravilhosa, cada frase tua é um mundo para mim. perco-me. e sabes? adoro perder-me.

    ResponderEliminar
  2. Também eu deixei de acreditar no amor!

    ResponderEliminar
  3. sinto isto tudo, e essa pessoa mostrou-me um mundo tão bonito que depois com o passar do tempo foi matando sem piedade, o amor engana minha querida, o amor engana.

    ResponderEliminar