14 de junho de 2013

Sentia a relva fresca a cada passo e inalava o cheiro de primaveras passadas. Invadiam-me o rosto partículas de vento e felicidade enquanto relembrava quem me pertenceu um dia, sem mesmo nunca me ter pertencido.
Longe estão os sentimentos que um dia assaltaram o meu coração. Perto estão as memórias que fizeram reviver a minha alma. 
É por isso que sorrio quando recordo a curva perfeita dos teus lábios. E, hoje, eu sei o que significa amar eternamente; mesmo que não volte a ser primavera.

8 comentários:

  1. está belíssimo. também me revejo, acho que temos parecenças e não sei se isso é bom. adoro ler-te.

    ResponderEliminar
  2. tens toda a razão. queres falar comigo? estou aqui.

    ResponderEliminar
  3. estou na mesma situação. boa sorte!

    ResponderEliminar
  4. que bonito, que bonito minha querida!

    ResponderEliminar
  5. as estações do amor são de grande complexidade, creio.

    ResponderEliminar