20 de fevereiro de 2014

Ele é...

Ele é o sorriso tímido e os doces olhos verdes. Ele é a brisa fresca que me abraça quando preciso. Ele é a força nos dias em que a minha alma é fraca. Ele é o silêncio misterioso. Ele é o pôr-do-sol junto ao mar e a água que me beija o rosto ao mergulhar. Ele é a gargalhada possante. Ele é o melhor sentimento, o eterno. Ele é a saudade que bate à porta. Ele é a luta por algo melhor. Ele é o herói e o príncipe encantado. Ele é tudo para mim. Ele é o meu pai. Amo-te, Papito ♡

16 de fevereiro de 2014

A Grande Aventura dos Livros Grátis

Já ouviram falar d'A Grande Aventura dos Livros Grátis da Editorial Presença? Eu já ganhei um livro! Registem-se e participem em http://livrosgratis.presenca.pt/105555

14 de fevereiro de 2014

O amor não tira férias

O que eu estou a tentar dizer é que eu encaro o sentimento tão minúsculo e insignificante quanto é humanamente possível. E o quanto consegue fazer doer em lugares que nem sabemos que temos dentro de nós. E mudes quantas vezes mudares o corte de cabelo ou vás a quantos ginásios fores ou tomes os copos que tomares com as amigas, continuarás a ir para a cama, todas as noites, a relembrar cada pormenor e a pensar em que é que falhaste, ou como podes ter entendido mal. E como é que, por mais breve que tenha sido esse momento, podes ter pensado que eras feliz. Por vezes, chegas até a convencer-te de que ele vai ver a luz e te vai aparecer à porta. E depois de tudo isso, por mais tempo que tudo isso possa demorar, partirás para um lugar novo e conhecerás pessoas que voltarão a fazer-te sentir válida e os bocadinhos da tua alma voltarão, finalmente, a juntar-se. E toda essa confusão, todos esses anos de vida que tu desperdiçaste acabarão por desaparecer.

in O amor não tira férias.

12 de fevereiro de 2014

Não entendo até que ponto as tuas palavras são uma doce mentira, quando as tuas mãos me procuram sempre que temos uma oportunidade de estar longe, de tudo, de todos. Como podes contradizer cada sílaba que me pronuncias com um simples olhar. Estarei tão cega assim?
Mas, eu vi. Baixaste a cabeça e negaste. A mesma expressão no teu rosto; aquele sorriso. As mesmas palavras, enquanto eu repetia, vezes e vezes sem conta, em silêncio, que era melhor para nós estarmos assim. Mas, eu vi tudo a acontecer outra vez. Tudo o que se passou, antes daquela noite. Será a nossa segunda oportunidade?