30 de janeiro de 2015

Essência

Home is where your heart is.
Dizem eles. Mas onde está o meu coração? Há uns tempos atrás, diria com toda a certeza a sua localização. Hoje, sinto-me perdida e sem rumo. Não sei onde quero estar, não sei com quem quero estar, nem sei mesmo para onde ir. Todas as vezes que acredito ter encontrado a minha essência, perco-a no segundo a seguir.

25 de janeiro de 2015

15 em 2015

Em actualização.

1. Escrever pelo menos uma vez por mês no blogue.
2. Ler 10 livros. (3/10)
A Culpa É Das Estrelas, John Green
As Cinquenta Sombras Mais Negras, E L James
A Rapariga No Comboio, Paula Hawkins
Uma Promessa Para Toda a Vida, Nicholas Sparks

3. Adoptar duas ratazanas.
Optei por dois periquitos - o Java e a Mimi!
4. Redecorar o meu quarto.
5. Doar coisas de que já não preciso.
6. Ver 10 filmes. (10/10)
Hércules, 2014
Agentes Universitários, 2014 (já agora, uma grande desilusão!) 
Não Há Duas Sem Três, 2014
The Kings of Summer, 2013
Dei-te o Melhor de Mim, 2014
Se eu ficar, 2014
Whiplash, 2014
A Teoria de Tudo, 2014
O Jogo da Imitação, 2014
Aquele Estranho Momento, 2014
7. Fazer todas as cadeiras da licenciatura. (11/11)
Análise de Dados - 15
Processos Estocásticos e Simulação - 13
Grafos e Redes - 13
Análise Matemática III - 12
Bases de Dados - 15
Álgebra I - 11
Inferência Estatística - 18
Análise Matemática II - 12
Análise Matemática IV - 12
Elementos de Programação - 16
Geometria - 13
8. Voltar a escrever um diário.
9. Perder 10kg.
10. Festejar o aniversário do Oliver.
11. Participar num desafio de escrita. (1/1)
12. Criar um mural de fotografias no meu quarto.
13. Ultrapassar a marca dos 2000 episódios de séries vistos. (1849/2000)
A ver: The Big Bang Theory, Game of Thrones, Vikings, The Vampire Diaries, The Originals, Once Upon a Time, Anatomia de Grey, Arrow, House of Cards, Da Vinci's Demons, Resurrection, How To Get Away With Murder, The 100, Sherlock, Chicago Fire, Chicago P.D., Under The Dome, 12 Monkeys, Empire, Lost.
Visto: Spartacus, Breaking Bad, Friends, Gossip Girl, 90210, Glee.
14. Oferecer presentes à família e amigos.
15. Construir uma Caixa de Memórias.

22 de janeiro de 2015

Uma história de amor

Esta é a sua história. Dois corações que batem um pelo outro. Duas almas que se consomem mutuamente. Duas mentes que começaram por se conhecer. Dois corpos que, no fim, já se sabiam de cor.

Das coisas giras #3 - Nova paixão

Há uns dias atrás, neste post, apresentei-vos o meu miminho Oliver. Mas, eu quero que a família cresça! Neste momento, estou a ponderar adoptar/comprar duas ratazanas domésticas. Para quem não sabe, as ratazanas são bastante inteligentes e sociais e são óptimos animais de estimação! Tenho feito imensas pesquisas sobre o assunto e cada vez mais me convenço de que são a minha nova paixão!

E vocês, têm alguma ratz ou conhecem alguém que tenha?

19 de janeiro de 2015

Ser superior

Ser superior. É arrancarem-nos o coração do peito e não gritarmos de dor. É retirarem-nos o chão debaixo dos nossos pés e, mesmo depois de nos partirmos em mil pedaços, voltarmo-nos a erguer.
E enquanto todos procuram alguém para apontar o dedo, são os superiores que vos ultrapassam. Eles não querem saber de quem é a culpa. Não têm a necessidade de criar desculpas para o que em redor deles acontece. Simplesmente, seguem em frente. O que, por sua vez, não significa esquecer. Tudo o que nos é oferecido, de bom ou mau, fica em nós. Também não é rancor. É o desgosto de um golpe que nos faz sangrar. 
Mas, quando somos consumidos tantas vezes pelo mesmo motivo, chegamos a um determinado ponto da nossa existência em que repensamos em todos os momentos que isso nos magoou. É aí, nesse patamar da vida, que abraçamos essa causa e nos juntamos a ela e, de uma forma ou outra, esta deixa de nos atingir. É onde estou agora. 
Palavras rudes, não me atingem. Gestos que tanto apreciava que existissem, não me enchem os olhos de lágrimas. Estou bem assim; sem alguém que nunca precisou verdadeiramente de mim. 
Sou eu, por mim.

18 de janeiro de 2015

Impasse

Se pensar no último momento em que fui realmente feliz, consigo dizê-lo em menos de um segundo. Mas saber que esse momento já foi há muito tempo atrás, deixa-me preocupada. Estou habituada a ser uma pessoa pouco feliz; são raros os momentos de felicidade, pois nunca nada foi suficiente para que a minha alma permanecesse sorridente. Houve sempre um dia menos bom, um golpe profundo, uma cicatriz que me tornou vulnerável.
Se pensar no dia de hoje apenas sei que a chuva ainda cai lá fora e que o dia foi demasiado deprimente por ter estado a estudar para os próximos exames.
E o meu coração? Onde anda aquele sofrimento de um amor não correspondido ou a ilusão de uma palavra mais ousada? Não existe vontade. Não existe dedicação. Nem sequer sei onde encontrar a necessidade de querer algo que nunca terei. Talvez tenha desistido.
E, por fim, cheguei a uma brilhante conclusão. Tropecei num insuportável impasse. Já não sei escrever. A minha mente já não sabe traduzir em palavras o que estou a sentir. E é esta dedução que me faz questionar: será que ainda sinto?

15 de janeiro de 2015

Guardo-me...

"Guardo-me para os amanhãs que muitas vezes não vivo. Desperdiço-me nos amanhãs que sem eu esperar me consomem. Sonho para me salvar naquilo que ainda não sou. Vivo para realizar aquilo que ainda não sei."
Guilherme, em A Ilha de um homem só